NOTÍCIAS

PAD Santa Gertrudis FUB 2020

Finalizada no início de novembro e conduzida em parceria entre Associação Brasileira dos Criadores de Santa Gertrudis (ABSG) e Programa Embrapa Geneplus, a 2ª edição da PAD Santa Gertrudis realizada na fazenda União do Brasil serviu para evidenciar o alto nível que a raça se encontra atualmente, um resultado que é fruto de décadas de seleção e melhoramento genético para características produtivas, reprodutivas e funcionais dos animais.
 
Foram avaliados 46 machos e 36 fêmeas provenientes de sete criatórios, localizados nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Esses animais permaneceram 141 dias em confinamento, sendo que os primeiros 28 dias serviram como um período de adaptação e o período restante para avaliação do ganho de peso diário. Todos foram submetidos as mesmas condições e avaliados ao final desse período para 12 características, compondo um índice final para classificação e ranqueamento dos animais.
 
1 (1).png
 
Dentre os principais quesitos avaliados na prova, além é claro do ganho de peso e peso final, podemos destacar as características de carcaça medidas por ultrassonografia, como Área de Olho de Lombo (AOL), Espessura de Gordura (EGS) e Marmoreio (Marm). Ainda, as fêmeas foram submetidas a ultrassonografia reprodutiva para avaliar o grau de desenvolvimento de útero e ovário, como medida de precocidade, bem como a população de folículos aspiráveis, variável importante ao se considerar que essas fêmeas de destaque serão multiplicadas por meio de Fertilização In Vitro.
 
A média de ganho de peso diário nos machos e fêmeas surpreendeu positivamente, já que em ambos os casos os valores obtidos ficaram acima do programado no início da prova. Vale ressaltar que a dieta fornecida foi estipulada para que os machos pudessem ganhar cerca de 1,300 kg/dia, mas na prática por se tratar de uma amostragem de animais geneticamente superiores, o ganho real obtido foi de 1,462 kg/dia nos machos e 1,119 kg/dia nas fêmeas, resultando em médias de pesos finais de 438 kg e 359 kg para machos e fêmeas, respectivamente, com 14 meses de idade ao final da prova.
 
Para as características reprodutivas, a média de circunferência escrotal nos machos ao final da prova foi de 31 cm. Nas fêmeas, o desenvolvimento de útero e ovário médio foi de 4 pontos, em uma escala que variou de 1 a 6, onde a maior nota foi atribuída as novilhas já em fase estral. Esses valores evidenciam a precocidade sexual dos machos e fêmeas avaliados, algo muito importante para garantir a reprodução dos animais de destaque em idade ainda jovem, ponto importante para o melhoramento genético da raça.
 
2 (1).png
 
Completando as características de destaque, observamos medidas de ultrassonografia de carcaça impressionantes, nos machos tivemos uma AOL padronizada para 450 kg de 85,2 cm2, com um valor máximo observado de 99,4 cm2. Além disso, a média final de EGS foi de 4,7 mm e o marmoreio médio foi de 3,0, com máximo de 3,9 nos machos e 5,2 nas fêmeas. Esses dados mostram a alta qualidade de carcaça e carne da genética que vem sendo trabalhada na raça, o que certamente tem trazido excelentes resultados nos ganhos genéticos para essas características na raça.
 
Além de todos os números de desempenho, ao final da prova pode-se constatar também a elevada qualidade fenotípica dos animais, com equilíbrio racial e funcional, mostrando todo os trabalho e dedicação que os selecionadores da raça empregaram, principalmente nas últimas duas décadas, trazendo o padrão do Santa Gertrudis para o biotipo de um animal moderno, precoce e eficiente, com todas as qualidades e rusticidade que vêm desde a sua formação.
 
Nós do Programa Embrapa Geneplus ficamos honrados em fazer parte dessa história, certos de que o trabalho que vem sendo desenvolvido junto com a ABSG e criadores trará resultados expressivos para o melhoramento genético e evolução do Santa Gertrudis no País.