Santa Gertrudis, a raça que mais evolui na pecuária brasileira

19 DEZ 2017

Pelo segundo ano seguido, a raça foi a que mais ganhou peso no CP CRV Lagoa. Essa evolução tem participação direta do crescimento

O ano de 2017 foi muito produtivo para a ABSG e para os criadores de Santa Gertrudis. Em dezembro, a raça esteve presente no XI Leilão Virtual do CP CRV Lagoa, em Sertãozinho-SP, e pelo segundo ano consecutivo foi a raça que mais ganhou peso e teve a melhor conversão alimentar, repetindo o feito do ano passado. Os animais também foram destaque no quesito precocidade, acabamento de carcaça, marmoreio e AOL (área de olho de lombro). Com isso, mostrou mais uma vez sua capacidade e qualidade, surpreendendo todos os visitantes do Centro de Performance da CRV Lagoa.

Melhores do ano

Ainda em dezembro, a ABSG aproveitou para fazer a entrega dos melhores do ranking de 2017. A premiação foi realizada em Holambra, na Fazenda Taquari, de propriedade do Sr. Henricus Becker . O grande vencedor este ano foi o criador Antônio Roberto Alves Corrêa, presidente eleito para o biênio 2018 e 2019. 

Durante o dia de campo e encerramento, foi realizada a apresentação dos animais, progênies e explicação de como é feito o manejo de Santa Gertrudis dentro da fazenda para todos os criadores que estavam presente, além do Gerente Executivo de Inovação e Reganho CRV Lagoa, César Franzon.

César pode ver de perto a progênie dos touros Gladiador e Justus, ambos contratados da CRV Lagoa e que são os grandes destaques do novo Santa Gertrudis pelo Brasil.

Colegiado de jurados

Em novembro, a Associação Brasileira de Santa Gertrudis realizou na Fazenda União do Brasil, em Buri-SP, a reunião anual do colegiado de jurados. Após discussão, foram apresentadas várias categorias de animais PO. Em fêmeas, ficou estipulado bezerras de 10 a 12 meses, novilha menor de 12 a 15 meses; novilhas a campo de 12 a 18 meses; novilhas de 18 a 24 meses; vacas jovens de 24 a 36 meses e vacas adultas com mais de 36 meses. Em machos: bezerros de 10 a 12 meses, júnior menor de 12 a 15 meses, touros de 17 a 19 meses; touros jovens e touros com mais de 36 meses.

Todos os animais foram avaliados e classificados pelos jurados presentes segundo os seguintes critérios, funcionalidade, produtividade, harmonia, equilíbrio e expressão racial.

"A reunião técnica foi altamente produtiva e muito bem assimilada por todos, que tiveram uma efetiva participação e colaboração para o sucesso dessa reunião. Certamente, todos poderão utilizar essa experiência nos futuros julgamentos oficiais da Raça Santa Gertrudis no País", explica o médico veterinário José Arnaldo Amstalden, que também é superintendente técnico da ABSG.